quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Habacuque 3

Habacuque: 3. 1. Oração do profeta Habacuque, à moda de Sigionote. 2. Eu ouvi, Senhor, a tua fama, e temi; aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos; faze que ela seja conhecida no meio dos anos; na ira lembra-te da misericórdia. 3. Deus veio de Temã, e do monte Parã o Santo. (Selá). A sua glória cobriu os céus, e a terra encheu-se do seu louvor. 4. E o seu resplendor é como a luz, da sua mão saem raios brilhantes, e ali está o esconderijo da sua força. 5. Adiante dele vai a peste, e por detrás a praga ardente. 6. Pára, e mede a terra; olha, e sacode as nações; e os montes perpétuos se espalham, os outeiros eternos se abatem; assim é o seu andar desde a eternidade. 7. Vejo as tendas de Cusã em aflição; tremem as cortinas da terra de Midiã. 8. Acaso é contra os rios que o Senhor está irado? É contra os ribeiros a tua ira, ou contra o mar o teu furor, visto que andas montado nos teus cavalos, nos teus carros de vitória? 9. Descoberto de todo está o teu arco; a tua aljava está cheia de flechas. (Selá) Tu fendes a terra com rios. 10. Os montes te vêem, e se contorcem; inundação das águas passa; o abismo faz ouvir a sua voz, e levanta bem alto as suas mãos. 11. O sol e a lua param nas suas moradas, ante o lampejo das tuas flechas volantes, e ao brilho intenso da tua lança fulgurante. 12. com indignação marchas pela terra, com ira trilhas as nações. 13. Tu sais para o socorro do teu povo, para salvamento dos teus ungidos. Tu despedaças a cabeça da casa do ímpio, descobrindo-lhe de todo os fundamentos. (Selá) 14. Traspassas a cabeça dos seus guerreiros com as suas próprias lanças; eles me acometem como turbilhão para me espalharem; alegram-se, como se estivessem para devorar o pobre em segredo. 15. Tu com os teus cavalos marchas pelo mar, pelo montão de grandes águas. 16. Ouvindo-o eu, o meu ventre se comove, ao seu ruído tremem os meus lábios; entra a podridão nos meus ossos, vacilam os meus passos; em silêncio, pois, aguardarei o dia da angústia que há de vir sobre o povo 17. Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto nas vides; ainda que falhe o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que o rebanho seja exterminado da malhada e nos currais não haja gado. 18. todavia eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação. 19. O Senhor Deus é minha força, ele fará os meus pés como os da corça, e me fará andar sobre lugares altos. (Ao regente de música. Para instrumentos de cordas.)